5 de setembro de 2012

Diário de Grávida: Dias 5... 9 de setembro de 2011...

por Cariny Cielo

De acordo com Michel Odent (se você está grávida e não sabe quem é esse cara, 'meldels', corrige isso agora no Google!), a ocitocina é um hormônio que depende de fatores ambientais e sua produção se intimidaria diante da presença de estranhos e observadores. Por esse motivo, ele sugere a retomada de um ambiente mais feminino, mais íntimo e mais aconchegante para que as gestantes deem a luz.

Vale a pena ler todo o texto do diário! E é pra ler, se possível com o pai!

Eu tenho fortes motivos para achar que quanto mais intimidade no parto, menos ele dói. Quanto mais invasivos foram meus partos, mais dor eu senti. Quando eu me vi amparada, segura, acolhida e verdadeiramente livre, não doeu.

Dói o frio, o medo, a solidão. Dói a pressa, a má posição, os desrespeitos. Doem as intervenções desnecessárias como a episiotomia...


Tem hora que eu chego a pensar que um Conselho Masculino Anti Mulher se reuniu por aí no passado e decidiu o seguinte: Vamos relacionar tudo que de pior pode ser feito à mulher para humilhá-la, desrespeitá-la e fazê-la sentir-se vulnerável. Vale tudo para prejudicar o decurso do trabalho de parto.

Deve ter sido mais ou menos assim:
1. Luz! Muita luz, daquelas brancas e que mostram tudo, perfeitas para fazer sutura...
2. Frio! Nada de calor quentinho, não! Vamos congelar essas mulheres...
3. Sentir fome e sede também ajuda bastante. Jejum obrigatório e de rotina!
4. Assim que ela entrar no hospital, coloquem logo um soro na veia, pra ela se lembrar de que está doente e, se não estiver, que pode ficar a qualquer momento.
5. A melhor roupa é aquela que mostra a bunda e a melhor cor é a verde água.
6. Raspem os pelos dela às pressas e reclamando que ela bem poderia ter feito isso em casa.
7. Para deixar o trabalho de parto bem desconfortável, façam lavagem intestinal. Será terrível ela sentir os puxos e ter receio de fazer cocô no próprio filho.
8. Aproveitem a oportunidade para liberarem todos os seus demônios. Vai ser divertido fazer gozação, chacota, chamar a atenção, repreender. As melhores frase são (anotem aí pra não esquecer): "Pra fazer você não gritou assim!". "Mãezinha, cala a boca".
9. Só pode entrar sozinha. Ou vocês querem testemunhas do nosso sadismo? O pai, a doula, o escambau, ficam do lado de fora!
10. Toques, toques e mais toques. Sempre com pessoas diferentes. Aproveitem qualquer estagiário ou residente para fazer toques. A melhor forma é a seguinte: toquem, olhem por teto, depois pro infinito e saiam sem dar informação.
11. Deitada, de barriga pra cima e pernas nos estribos é a melhor e mais feladaputa posição para a contração doer e causar sofrimento fetal. Adotem-na com suas pacientes, em todos os atendimentos.
12. Estourem a bolsa sem consulta prévia (pra quê ouvir gestante?) e logo no início do trabalho de parto que é para as contrações ficarem bastante dolorosas e aumentar o risco de infecções.
13. Monitorem os batimentos fetais sempre com ar de preocupação e, ao final, façam cometários entre os colegas usando termos técnicos.
14. Usem ocitocina sintética e digam que é só um remedinho pra apressar o nascimento. Se tivermos sorte, as contrações ficarão tão insuportáveis que ela vai implorar por uma cirurgia.
15. Se ainda assim, com todas essas manobras desgraçadas, o trabalho de parto progredir e aquela gestante tiver a petulância de estar caminhando tranquila prum parto normal, não a deixem sair ilesa! Marquem-na, eternamente, cortando-lhe o sexo, para que se lembre que só pariu por meio de nós (by Ric Jones). Sim, usem o 'pique' rotineiramente, ignorando o que recomenda a Organização Mundial de Saúde.
Feito isso, sintam-se vitoriosos! Vocês acabam de destruir o mais sublime evento feminino. E ela não vai odiar vocês pois vai estar muito encantada com o filho recém chegado. E tem mais, ela ouvirá que não tem o direito de se sentir frustrada ou triste, afinal, o bebê nasceu, está com saúde e ela não morreu!

Eu fiz aqui um filme dos horrores, é verdade! Embora muitas mulheres tenham tido a infelicidade de receber praticamente todo o kit 'destrua o parto', existe um gigantesco meio termo.

Tem as que sofreram pique, por exemplo, mas ficaram muito, muito felizes por terem conseguido o tão desejado parto normal. É verdade! A delícia de sentir o bebê nascer por nossas próprias forças supera tudo e é por isso mesmo que acabamos não nos dando conta de que aquilo foi violência!

E tem as que descobrem que tudo isso é ruim, é errado e não é recomendado de se fazer no atendimento obstétrico muito tempo depois... quando começam a reeditar seus partos!

Eu questionei muito minha cirurgia.
Eu questionei muito o atendimento dado ao meu segundo filho, nascido de parto natural hospitalar.

E nessa de questionar, investigar, lutar... eu alcancei um delicioso estágio de 'nada a questionar' com o parto do meu terceiro filho. Ele, sim, nasceu como se deve nascer. Ele me teve, plena, e foi pleno em seu chegar ao mundo.

Mas o melhor deste post vem agora: foi há um ano que eu acertei o dia do parto! Eu estava em tamanha conexão com meu pequeno que até escolhi o dia do nascimento dele.

Prova cabal de que o bebê é o que é a mente da mãe que o gesta, como diz a PHD Eleanor Luzes! Alguém duvida? Eu não.

"Hoje, pensei num dia dia lindo pra nós: Dia 21"

Que assim seja...


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...