4 de agosto de 2018

Relato de parto da Mayara: Parto normal hospitalar com doula em Cacoal



Feliz demais em trazer para o blog a história de gravidez e parto da minha amiga e irmã de alma, Mayara, que eu tive o privilégio de doular (do verbo "ser doula" rsrsrsrsrs).

"Não basta ser amiga-irmã, confidente, terapeuta, massagista, não basta ser comadre... Tem que ser doulanda com parto relâmpago e em 6 horas trazer nossa Manuela". Foi assim que anunciei a chegada da bebê da Mayara e é assim que começo o relato aqui. Uma história de desencontros e reencontros que culminou em uma desfecho iluminado.


sentaquelávemrelato💜sentaquelávemrelato



por Mayara Tassi


Desde de minhas memórias mais antigas lembro do meu desejo em ser mãe, sinto que tudo só estaria completo quando este momento chegasse, mas pelo fato de ser sempre tão racional, adiei esta vontade por algum tempo.

Me dedico ao tema “gravidez e parto” desde o início da faculdade em fisioterapia, há 12 anos. Acompanho a militância da minha amiga e doula Cariny sobre humanização do parto há quase o mesmo tempo, há 2 anos criamos uma roda de gestante para dividir experiências e informações de qualidade, e trabalho com pilates para gestantes há 4 anos.

Em fim esse assunto faz parte da minha vida há muito tempo!



Casei aos 20 anos, mas somente aos 27, mais especificamente em março de 2015 começaram as tentativas para engravidar. Desde a adolescência fui diagnosticada com S.O.P. (síndrome dos ovários policísticos), apresentava ciclos irregulares e longos períodos sem menstruar, tive ciclos de até 120 dias, o que não me dava a chance de saber se havia ovulado.

Comecei a buscar por informação a fim de conhecer o meu corpo, e conheci o método sintotermal. Aferi temperatura, muco e colo diariamente durante 1 ano. Passei a perceber, mesmo sem muitas expectativas neste período, apenas 3 ciclos em que havia chance de ovulação. Impossível não ficar ansiosa! Tudo que estudava era sobre S.O.P. e ovulação... mais de 2 anos e nada da gravidez, o ciclo mais curto foi de 40 dias, tratamentos e mais tratamentos naturais...

Por diversas vezes me senti só na tentativa em engravidar. Entendia a resistência do meu marido devido a sua sobrecarga de responsabilidades, o que fez com que me dissesse por algumas vezes que me apoiava, mas não compartilhava do mesmo desejo, me gerando muita insegurança, e me fazendo refletir sobre os mistérios do nosso inconsciente, os traumas, medos, e padrões repetitivos que herdamos... mas nada me tirava o imenso desejo de ser mãe... fazia planos, sonhava e vislumbrava cada momento com um bebê.

Após uma constelação familiar, muitas coisas se mobilizaram. Começara um movimento sutil e ao mesmo tempo avassalador.

Em abril de 2017 decidimos nos separar. Foi uma decisão de ambos, para que nossa relação fosse preservada, uma vez que sempre nos admiramos. Fomos apoio e porto seguro um ao outro há 9 anos. Terminamos com o desejo que em um futuro breve as coisas pudessem melhorar e talvez o nosso casamento ser resgatado. Foi um período muito difícil, cheio de dúvidas, medos e inseguranças. Após 3 meses ocorreram muitas mudanças em ambos, o amor falou mais alto, e nosso reencontro foi preparado por Deus. Fomos para a terapia, e dia 02 de agosto de 2017 tivemos a certeza que não poderíamos viver mais um sem o outro, e a primeira coisa que ele desejou para nós foi um filho!

Havia menstruado no dia 30/07/2017, mas com um ciclo irregular e há quase 3 anos de tentativa, gravidez não era uma possibilidade. Agora era eu que achava que não era o momento de ter filhos, muitas mudanças na área profissional, achei que era melhor esperar. Dia 01/09/2017, uma sexta-feira, tive um escape, como já conhecia perfeitamente o meu corpo e meu ciclo, logo suspeitei de gravidez... seios doloridos e um sono incontrolável me deixaram ainda mais na certeza.

Fiz um teste de farmácia no dia seguinte, e como tantos outros... NEGATIVO. Na segunda feira, meu esposo percebeu que meus seios estavam maiores. Convicta depois do teste que deu negativo, respondi que deveria ser TPM. Contudo a dor nos seios não aliviavam, e nunca havia sido tão intensa. Resolvi comprar outro teste de farmácia uma semana depois, fiz logo no meio da tarde, e... POSITIVO! Uma linha forte de controle e outra clarinha, não acreditei! Imediatamente mandei mensagem para minha prima Luana e minha irmã Letícia, como em 2016 tive uma provável gravidez química (positivou o teste de farmácia e negativou o beta hcg) fiquei com medo de ter acontecido novamente, e logo providenciei o teste laboratorial.

Mas, no fundo, não me restavam mais dúvidas. Antes do resultado do exame de sangue, saí para comprar lembrancinhas pra fazer a surpresa pro papai! E pouco tempo depois chegam meus irmãos no meu trabalho com o resultado do exame... aos prantos, todos! Era muita felicidade! A noite fiz a surpresa para o meu esposo - que foi o último da família a saber. E ali no dia 11 de setembro de 2017 minha vida começava a mudar para sempre... eu, que tanto desejei, tanto esperei, não conseguia acreditar! Misto de sentimentos... parecia um sonho e eu tinha medo de acordar!



A ultrassom confirmava minha ovulação tardia, pois não coincidia com a data da última menstruação (D.U.M)... provavelmente ovulei 2 semanas depois do esperado de um ciclo normal, pelas minhas contas a concepção provavelmente ocorreu próximo ao dia 26/08/2017, saindo totalmente do meu controle e da minha racionalidade, pra quem era tão controladora, isso foi a prova de que as coisas precisavam fugir do meu domínio para então seguir seu curso natural.

Por volta da 7ª semana começaram os enjoos, no início até achamos engraçado, mas com o passar do tempo, fiquei muito indisposta, vomitava muito, principalmente de madrugada, achava que nunca mais fosse saber o que era conviver sem enjoos. Graças a Deus eles cessaram com exatas 14 semanas. Tirando esse detalhe, minha gravidez foi muito tranquila, e não tive nenhum contratempo. Com 9+2 dias realizei o exame de sexagem fetal, e após 8 dias, descobrimos e confirmamos o que eu e Fabrício intuíamos: é uma menina!!!



Meu médico desde o início apoiou as minhas escolhas e eu confiei em minha intuição, nunca me imaginei fazendo uma cesariana, nunca me preocupei com as dores do parto, inclusive me questionava se não subestimava as dores ou realmente estava preparada para enfrentá-las, depois de tudo que já havia estudado e acompanhado.



Me preparei emocionalmente para passar das 40 semanas, até para dar suporte à família e ao meu esposo, que era o mais ansioso. Com 38 semanas, meus padrinhos, que hoje assumem o papel dos meus pais, chegaram para ficar comigo... a ansiedade então só aumentava. Me mantive tranquila, tendo em mente que poderia chegar a 42. Minha madrinha, 2 meses antes, previu que seria na virada da lua nova, que era de fato a minha nona lua, dia 15/05/2018. Fabrício, meu esposo, desejava que ela viesse no dia 19/05 (aniversário dele e Data Provável do Parto - DPP), e eu confesso que não tinha palpite algum.

Dia 01/05/2018 percebi que minha barriga havia descido, assim de repente, da noite pro dia, a parte superior do abdômen estava mole, sinal que ela começava a encaixar.

Dia 13/05/18, domingo, 39 semanas e 1 dia, percebi um muco, pouca quantidade e sem rajadas de sangue, mas talvez fosse o tampão, foi o único sintoma pré-parto. Me sentia já bem cansada, mas ainda estava bem ativa, fazia meus exercícios na bola, ficava de cócoras, trabalhava na medida do possível e tentava namorar sempre que possível. Minha irmã mais velha, Tatiana, pressentiu que algo estava por vir. Fomos a chácara de uma amiga, Mariana (relato aqui), no intuito de tomar o famoso banho de bica, que trouxera Mateus, seu caçula, após 2 dias.

Dia 15/05/2018 virada da lua nova o dia amanheceu diferente, chuvoso e Fabrício anunciou a chegada da nossa pequena: disse que era o dia perfeito pro nascimento! Me sentia melancólica, não havia dormido nessa noite, mas me sentia disposta. Por volta de 11:30 ao falar com a minha irmã Tati pelo telefone, me dei conta que as contrações de treinamento estavam mais intensas, uma pressão diferente, mas ainda não classifiquei como dor. Contei apenas para o Fabrício, já enfatizando pra que não ficasse ansioso pois ainda poderia ficar dias em pródomos.

Resolvi cronometrar e as contrações estavam ritmadas, 7/8 min com duração de 50 segundos em média, mas era apenas uma pressão diferente, sem dor. Informei minha irmã Tatiana, pois ela precisava viajar 220 km para acompanhar o parto como planejamos desde o início.

Informei meu médico às 14 horas que pediu pra me avaliar às 16 horas. Às 16:30 horas, o obstetra me avaliou, fizemos o toque sob meu consentimento. Ainda não estava em trabalho de parto, nenhum centímetro dilatado, e colo alto. Provavelmente não nasceria nesse dia... afirmou o médico. Chegando em casa tentei dormir para poupar energias e Fabrício foi trabalhar pra amenizar a ansiedade.

Às 18:00 horas chegava minha doula querida Cariny, com todo seu aparato! Achei engraçado pois achava que ainda era muito cedo para luzes, massagens, escalda pés... mas aproveitei o momento. Às 18:15 hs chega minha irmã Tatiana, rimos e relembramos os seus partos, enquanto minha madrinha preparava meu chá (chá da Naoli) e meu escalda pés. Às 18:30hs percebo que as contrações intensificaram, parei de conversar, começou a perder a graça. Às 19:00h as contrações ficaram realmente intensas, e logo chega meu marido, curtimos um tempo a sós, mas as contrações ficam tão fortes e doloridas a ponto de me fazer vomitar.



Tomei um caldo em meio às contrações que minha madrinha preparou com todo amor, me arrumei para ir ao hospital para ser reavaliada, mas as contrações quase não tinham mais intervalos. Durante o trajeto ao hospital pensava que se não estivesse em trabalho de parto, eu não aguentaria.

Paramos 3 vezes no trajeto, porque a dor era muito intensa. Chegando ao hospital mal conseguia deitar para auscultar os batimentos cardíacos fetais, e então o médico resolve fazer um novo toque, e para a surpresa de todos 4 cm de dilatação! Renovava então minhas forças. Fui encaminhada a outro hospital, pois não havia vaga no hospital que eu havia planejado.



Demos entrada as 21 horas na maternidade, logo na entrada, eu vomito novamente. As contrações não davam trégua. Às 21:30hs vou para o chuveiro com o meu esposo, fiquei por alguns minutos de cócoras e revezava entre sentar e ficar em pé com a água quente caindo sobre minha barriga. Enquanto Cariny e meus tios traziam de casa tudo que planejamos, bola, som, chá, luminária, travesseiros... As contrações eram todas no baixo ventre. Após 30 minutos de chuveiro só queria deitar, queria achar uma posição que doesse menos...



De repente comecei a sentir muita pressão no períneo, coincidindo com o momento da chegada do médico. Estávamos no apartamento, e por protocolo do hospital não poderíamos fazer o parto ali. Trouxeram uma cadeira para me levar ao centro cirúrgico, implorei para não ir, ela estava coroando, e eu não aguentava sair daquela posição!
As 22:14 senti o círculo de fogo, comuniquei ao médico que senti que ela havia coroado, ele confirmou com um exame de toque e ficou impressionado com a rapidez de tudo! Pude ouvir e sentir a comoção de todos presente, misto de euforia e felicidade. Ouço as palavras de incentivo da Cariny e da minha irmã que, juntas, seguravam a minha perna, pois achei mais confortável ficar deitada, e da minha outra irmã Letícia, que registrou o nosso momento... e, em especial, meu marido, que segurou a minha mão em cada fase, ria e chorava, me deu apoio e foi meu guia, senti que nunca estivemos em total conexão como neste momento, adivinhava meus pensamentos e respirava amor, jamais esquecerei da nossa sintonia... a bolsa rompeu durante o período expulsivo, eu gritei neste momento, um grito da alma, das entranhas, da profundeza dos meus sentimentos mais ocultos... foram mais 4 contrações, e em 15 minutos ela nasceu!



Neste momento meu mundo parou, a emoção mais visceral que senti na vida, lembro de sua pele quentinha escorregar em meus braços, o seu chorinho soar como música aos meus ouvidos, o coração explodir de amor e felicidade, meu corpo estremecer, e eu pensar a todo momento como eu nasci para ser mãe, e ser mãe da Manuela! Ela estava pronta, a nossa espera para vir a este mundo, no melhor momento, e em seu momento! O amor mais genuíno que alguém pode sentir.



Obrigada, minha filha, por me permitir essa experiência divina... através de você eu tive a oportunidade de renascer!



Não poderia deixar de agradecer a minha incrível rede de apoio, como sou privilegiada por isso! A começar pelo meu marido que engravidou junto, sempre cuidadoso, disposto a me cuidar, e ser o melhor pai e marido para mim e Manuela. A minha doula, amiga e irmã de alma Cariny que sempre me guiou e dividiu suas experiências da maternidade há 11 anos, sonhando e planejando comigo cada detalhe deste dia. A minha família que esteve presente em cada momento, vibrando com cada novidade, sonhando junto, me apoiando em cada decisão e com muito amor e dedicação transformando-se em tio, tias, primo, prima, avô, avó, padrinho e madrinha. As minhas amigas, por cuidarem de mim, por cada gesto de carinho e preocupação, por compartilharem suas vidas e suas experiências.

 
  

Ainda com nó na garganta por não poder dar esse presente aos meus pais, sei que eles estariam em êxtase junto com a gente, vibrando, chorando e amando ser avós, mas sei que em algum plano espiritual olham por nós, vocês serão sempre minha maior inspiração. Serei eternamente grata a vocês.





Mayara tem 29 anos, mora em Cacoal, onde trabalha como fisioterapeuta.
Proprietária do Estúdio de NeoPilates Mayara Tassi. Casada com Fabrício Klipel.






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...